Este site utiliza cookies para otimizar a sua experiência de navegação.

ACEITO
Karma e Vidas Passadas / 17 out 2019

Karma ou Carma - O que é?

O karma é como um vírus. Entra devagar, silencioso, e vai invadindo a nossa vida. O vírus karma - também chamado carma - vai ocupando espaço, e quando percebemos o que está acontecendo, a vida já está toda minada. 

 

O karma já se instalou de tal forma que limpá-lo é extremamente difícil. Assim como o vírus já invadiu as células de muitas partes do corpo, o karma - ou carma - já invadiu muitas áreas da vida. 

O vírus do Karma

A partir daqui: no caso do vírus vamos precisar de um médico para definir um tratamento, pois se não fizermos nada e o vírus continuar crescendo, vai ocupar todo o corpo provocando a falência dos órgãos e comprometendo o nosso bem mais precioso: a nossa vida. 

No caso do karma vamos precisar de um terapeuta para definir um tratamento, pois se não o fizermos ele vai continuar invadindo cada vez mais áreas da vida até provocar a falência do nosso bem energético mais precioso: a nossa essência.

A não ser que consigamos identificar e limpar o nosso karma o mais depressa que possamos, cada minuto conta.

A cada dia ele vai se entranhar e modificar a nossa perceção da realidade.

A cada dia ele vai criar padrões repetitivos de comportamento que vão nos afastar de quem somos e começar a criar uma nova persona que só serve a ele próprio. 

Significado de Karma

Karma – ou carma – significa uma dor de uma vida passada da qual não fizemos o luto. Não lhe demos significado lá atrás, quando a perda aconteceu. E como não chorámos essa dor, não drenámos essa energia, ela ficou no nosso sistema energético para sempre. Morremos na vida passada, nascemos nesta vida e ela continua aqui. 

Karma - Como funciona?

Nesta vida essa dor que está na nossa energia funciona como um imã. Ela nos faz atrair situações que provocam uma dor idêntica à da vida passada para podermos, depois de tanto tempo – às vezes séculos, às vezes milénios – poder chorá-la, para por fim libertar a energia enclausurada.

É importante notar que não atraímos situações idênticas. O que atraímos são situações que até podem ser diferentes, mas que provocam uma dor idêntica à da vida passada. A tal dor que precisa ser libertada. 

Karma e o Véu do esquecimento

Mas a verdade é que não conhecemos esta história.

Não nos lembramos de nada das vidas passadas. Não sabemos o que aconteceu.

A única coisa que começamos a conhecer é uma emoção estranha, muito pesada, que de vez em quando aparece. Que nos deixa muito tristes sem razão aparente.

E que é imensamente maior do que o evento que a causou. A sensação é de uma desproporção enorme. Como é que uma situação tão corriqueira pode causar uma dor tamanha? E como é que várias situações tão diferentes podem causar a mesma dor? 

Chega uma altura em que já nos dizemos: eu conheço esta tristeza. Eu conheço esta angústia. Não é a primeira vez que a sinto. 

Karma - o que fazer com a dor?

E o que fazemos com essa dor? Normalmente uma de duas coisas – seria bom que fizéssemos uma terceira, mas quase nunca é o caso. 

  1. Tentamos ostracizá-la, tapando, bloqueando, fugindo. Não sabemos o que fazer com essa dor. Não compreendermos de onde vem. E como consequência, fazemos tudo para não estar frente a frente com ela. E se ela teima em aparecer, em se fazer presente, vamos ao médico. Doutor, dê-me alguma coisa para passar esta angústia. 
     
  2. Revoltamo-nos contra essa dor, considerando que o universo – ou o pai, ou mãe, professora, vizinho, enfim – está contra nós e que apenas somos vítimas do acaso por estarmos no lugar errado na hora errada, quando o evento que provocou essa dor aconteceu. Não consideramos que fazemos parte do guião que criou toda esta situação.

Karma e o choro

A terceira possibilidade, seria conseguir chorar essa tristeza sem perguntar de onde ela vem. Mesmo sem saber de nada dela. Chorar e pronto. Chorar tanto que ela teria que se ir embora. E se ela voltasse uns tempos depois, chorar outra vez. E outra vez, e ainda uma outra vez. 

E iria chegar o dia que eu já saberia que ela estava a chegar, e começava logo a chorar, e esse choro iria demorar só um minuto. E ia passar. E nessa altura eu iria saber que finalmente consegui compreendê-la, domá-la, encaminhá-la. 

Nessa altura a energia da dor enclausurada iria se libertar e o personagem de vidas passadas que sofreu a perda podia finalmente subir. Podia, finalmente, ter paz. 

Karma no Budismo

A palavra karma ou carma no budismo refere-se apenas ao início desta intrincada história. O Budismo fala da ação e reação. 

Karma - Nós agimos e o Universo reage. 

Nós recebemos o que fazemos. Sim, é verdade. Mas o budismo não considera o que acontece depois da reação do Universo. Vamos imaginar que eu faço alguma coisa terrível numa vida. Depois o Universo vai lá e envia-me uma situação terrível para que eu vivencie na pele o que fiz os outros sofrerem.

E eu, o que é que eu faço com a dor que essa situação me provocou?

E é aqui que entra a explicação completa do karma, que Jesus me ditou há alguns anos. 

É óbvio que a primeira situação terrível que me acontece é fruto de algo terrível que eu fiz. 

Mas a pergunta que se coloca aqui, é:  

E se eu me revoltar, me vitimizar depois de vivenciar a tal reação do Universo?

O karma está limpo?  Eu limpo karma só por ter vivenciado a situação terrível independentemente da minha reação a essa vivência? 

Então por essa ordem de ideias eu posso fazer muito mal em uma vida, na vida seguinte vivencio uma situação terrível, e equilibro tudo. Acabou o karma.

Não. Não é assim que acontece. Era bom, não era?

E talvez seja por isso que Jesus sentiu necessidade de explicar o karma completo:

 

  1. Eu tenho uma ação

  2. O Universo reage à minha ação

  3. Eu reajo à reação do Universo

  4. O Universo reage à reação que eu tive à reação dele

  5. Eu reajo à reação que o Universo teve à minha reação, que foi uma reação à reação do Universo à minha reação... e assim sucessivamente num movimento perpétuo de dor e incompreensão. 

 

Lei do Karma

Resumindo:  Karma ou carma é uma ação terrível que podemos praticar, e como muito bem diz o budismo, teremos uma reação do Universo.  Iremos atrair situações que nos farão vivenciar o mesmo que provocámos aos outros, aquando da nossa ação.

Depois, dentro do nosso livre arbítrio iremos reagir a essa situação que atraímos do Universo.

E a nossa reação poderá ser como explicado acima:

  1. Fugir da dor, bloquear.
  2. Revoltarmo-nos ou vitimizarmo-nos. 

E essa reação 1 ou 2,  vivida vezes sem conta, vidas e vidas sem conta, vai criar um padrão repetitivo de comportamento que nesta vida vai ser difícil de corrigir.

Nesta vida vamos reagir como sempre reagimos nas outras. A não ser que consigamos compreender toda esta dinâmica de como as nossas reações antigas estão tão impregnadas na nossa energia como um vírus, tão difícil de exterminar.

E quanto mais reagimos como nas vidas passadas, mais vamos sendo o que éramos e menos vamos sendo o que viemos ser nesta vida. E a nossa essência vai nos abandonando. 

Karma Espiritual

Só quando olhamos para as nossas reações diárias e compreendemos que elas podem refletir o vírus do karma tão entranhado na nossa energia é que poderemos finalmente começar a pensar em limpar. Limpar não só as nossas ações, como as nossas emoções. E limpar principalmente as nossas reações repetitivas comportamentais.

Uma reação provém de uma emoção e uma emoção provém de um karma espiritual que por vezes está em nós há séculos. E é nossa missão - desde primeira vez que descemos a terra, - limpar. 

É mais do que nossa missão. Esta densidade emocional que habita a nossa energia é o motivo principal da encarnação, pois foi ela que nos puxou cá pra baixo desta vez. É este peso que faz com que não consigamos sair da roda das encarnações, é este nó que vimos cá a baixo curar para que possamos um dia poder voltar para casa.

Quanto mais vidas vivemos sem limpar as nossas reações e as nossas emoções, mais os padrões repetitivos do comportamento vão se fortalecendo e mais vai ficando difícil a nossa libertação do karma.

Mudar é coisa mais difícil do mundo, mas quando compreendemos que não queremos mais viver em restrição, quando compreendemos que merecemos a abundância, todos os esforços são válidos para que possamos mudar de caminho e assim mudar de vida.

Voltando ao início:  karma é um vírus cuja solução é:

  1. Chorar cada dor

  2. Nunca fugir das emoções

  3. Nunca considerar que Universo se engana quando nos envia uma situação difícil. 

O que está fora é igual ao que está dentro. Se olharmos para fora da nossa vida conseguimos compreender como está nossa energia. Porque atraímos o que emanamos. A vida está má?  Muda a tua energia e a vida melhora. 

Até porque a vida não é eterna, e o que nos resta viver, há que viver da melhor forma possível. 

Porque como diz Fernando Pessoa: "O próprio viver é morrer, porque não temos um dia a mais na nossa vida que não tenhamos, nisso, um dia a menos nela."


Em que ponto está Sua Espiritualidade? Preparei um Quiz, um Teste, que responde ONDE você está na Espiritualidade. Venha fazer o Quiz.

Quero fazer o Quiz!
Alexandra Solnado
Alexandra Solnado

Alex Solnado é a autora portuguesa na área da espiritualidade com maior projeção mundial. Como nunca foi religiosa, o seu desenvolvimento espiritual acabou por passar por outras vias. Estudou Astrologia Kármica, Ciência Esotérica e Meditação. Em Março de 2002 numa Meditação, Jesus apareceu. Disse que tinha muita coisa para dizer, se ela estava disposta a escrever. A partir daí começam as mensagens… até hoje.

Assinatura

Youtube